MECANISMOS DE DEFESA

25/07/2013 02:07

Negação:

           

É a primeira reação de um dependente à perda. Do mesmo modo que uma dor física muito forte ou uma ferida pode por os nossos corpos em choque, a dor emocional ou mental pode causar uma reação semelhante aos sentimentos, intelecto e ao físico. Ficar entorpecido, entrar em curto-circuito. Alguns terapeutas chamam isso de bloqueio. A maioria dos profissionais concorda que normalmente não é um bloqueio total. Parte dos dependentes de químicos suspeita a verdade, mas não estão prontos para lhe dar com ela.

Não há regra para definir o tempo exato que pode durar a fase de negação. Os dependentes de químicos negam até se sentirem suficientemente seguros. A negação prolongada favorece um quadro de prejuízos ainda maiores, impossibilitando o dependente a uma entrega total na recuperação de sua doença. Possivelmente induzindo-o a inúmeras recaídas se já tiver aceitado algum tratamento. Pois o costume de negar pode resultar num lento processo de demolição da negação. Sendo assim, o dependente não é honesto suficientemente consigo mesmo para se manter sem a culpa, vergonha e ressentimentos causados pela sua negação que o leva a ter atitudes insanas de recaídas. Continua mentindo e negando parcialmente até não agüentar mais, e então, realmente se entregar a uma recuperação sólida quando já esta na maioria das vezes no fundo do poço.

 

Minimização:

 

O individuo com transtornos decorrentes do uso nocivo de drogas tende a minimizar toda e qualquer situação que possa ser desfavorável para o meio onde convive. Qualquer situação de abuso de drogas torna-se pequena em relação às comparações absurdas que os dependentes passam a revelar para as pessoas que convive, em forma de defesa própria. Colocam os prejuízos num futuro muito distante que não o atingirá, mesmo sabendo que já fazem parte dele.

Podem chegar totalmente chapados em casa e continuarão dizendo que “só beberam um pouquinho”.

Pode estar acabado de cansado e ter passado uma noite de caos atrás de drogas que ao chegarem no trabalho vão dizer que passaram muito bem e contar as vantagens mais absurdas e mentirosas, e que só usaram algo porque estava muito fácil o acesso.

Minimizam e mentem descaradamente para se engrandecerem perante aos outros mesmo sabendo da mentira contada. Mentem tanto que muitas vezes passam a acreditar realmente em suas próprias mentiras. Não são capazes de serem honestos consigo mesmo e com as pessoas que convive porque na maioria dos casos vai sofrer repressão e não é o intuito deles parar de usar naquele momento. Precisam de ajuda profissional, estão doentes e não podem continuar minimizando situações claras aos olhos do mundo.

Esse comportamento é muitas vezes aceito dentro de famílias por despreparo e por não saber abordar uma situação dessas. Fecham os olhos para fingirem não ver a verdade e ficam com medo de reações agressivas ou de piorar a situação.

Os familiares que passam por isso devem procurar ajuda profissional antes de uma abordagem arriscada. Só assim poderão estar seguros ao tentarem ajudar seus entes queridos.

 

Projeção:

           

Com o decorrer do tempo, as brigas e desentendimentos familiares e sociais aumentam e favorecem ao dependente, situações de projeção para facilitar a desculpa do uso de drogas.

Colocam a culpa pelo seu fracasso em tudo e em todos, menos em si mesmo.

O culpado pelo seu abuso de substâncias nocivas a saúde pode ser qualquer um que cruze o seu caminho. Podem culpar alguma droga em particular como, por exemplo: “Eu só cheirei cocaína porque bebi demais, a culpa é da bebida, eu não tenho problemas com drogas!!” ou então “ Eu só enchi a cara, gastei todo meu dinheiro e bati o carro porque minha mulher pega no meu pé, ganho pouco e meu patrão é estúpido”.

Situações como essas não devem ser tão incomuns para nossa sociedade, portanto fique atento e não deixe que a doença da dependência química afete a sua família inteira, procure ajuda antes de eventuais situações prejudiciais.

 

Procrastinação:

           

Procrastinação é o comum costume dos dependentes químicos de deixar todos os problemas de suas vidas para serem resolvidos depois. Sempre dizem que vão resolver, que amanha, amanha, etc, vão dar um jeito na vida, vão parar de usar drogas, de beber e vão arrumar um emprego descente, etc.

Isso é história, pois não têm condições emocionais, físico e muito menos psicológicas para tomarem uma atitude produtiva permanente. Podem sim tentar usar de manipulação por algum período de tempo para conseguir um pouco de confiança de volta e se sentirem à vontade e sem peso na consciência de recaírem de novo. Mas é uma doença e tem que ser tratada. Um dependente químico sem a ajuda e o suporte necessário, na maioria das vezes não consegue segurar a abstinência e volta ao uso. Não faça como um dependente, procure ajuda profissional agora e tente resolver seu problema amparado por profissionais.

Os dependentes de químicos na maioria das vezes não são culpados pela sua doença, mas a partir do momento que conhecem um caminho de luz, são responsáveis pela sua recuperação e podem ter uma vida estabilizada e feliz. Não deixem para depois se podem resolver agora, a tendência é só piorar, procure ajuda.

 

Manipulação:

 

Todos os dependentes químicos, sem exceção, são manipuladores. Usam dessa artimanha em todas as oportunidades que têm.

Por diversas vezes podem cometer os mesmos erros e na mesma proporção, prometerem que não farão de novo. Muitos até choram e juram por tudo que é mais sagrado que ficarão bem, mas continuam a ter um comportamento destrutivo. Inventam as situações mais absurdas para conseguirem o que querem e não se importam com o quanto estão magoando as pessoas. Pois o objetivo é o seu prazer incessante de usar mais uma vez, e mais uma, etc. Claro que com certeza existe o arrependimento, normalmente na ressaca, mas eles tem a opção de manipular uma situação de novo e conseguirem mais drogas para curarem a dor emocional.

Essa é uma doença muito difícil de ser tratada, mas com o auxilio e ajuda necessários, os meios de conseguir controlá-la se tornam eficazes e recompensadores.